A alma e o eu

L'ange 1956 Chagall

Marc Chagall. L’ ange,1956

A alma e o eu

(…) o facto de que a alma, tanto nas religiões como na psicoterapia, seja considerada uma coisa pessoal parece-me um mito, uma vez que, e olhando sem pré-concepções o actuar da alma, vê-se que não somos nós que temos e possuímos uma alma, mas que é a alma que nos tem e nos possui; que a alma não está ao nosso serviço, mas que ela nos toma ao seu serviço. (…)

 

Bert Hellinger In “Del Cielo que Enferma y la Tierra que Sana. Caminos de Experiencia Religiosa”. Herder Editorial

 

Tagged , ,
%d bloggers like this: