A Paz e a Pátria

O presente texto é uma transcrição do discurso Bert Hellinger durante a parte final do curso intensivo em Bad Reichenhall (Alemanha), em Novembro de 2011. Esta transcrição foi autorizada pelo autor. A tradução é de Eva Jacinto, a partir do texto em castelhano.

 

A paz, a exclusão e a doença

Se numa nação houver grupos excluídos, especialmente no México e noutros países da América do Sul, esses grupos não só têm uma influência sobre a sociedade, como também têm um efeito sobre a nossa saúde. Se depois num país, os grupos são respeitados, se receberem os mesmos direitos e o mesmo apoio, isso tem consequências para a nossa saúde.

ARMANDO ALVES 2004

Paisagem. Armando Alves, 2004

E isto vale para todos os aqui presentes: jamais poderemos excluir a nossa pátria ou sequer não a reconhecer.

O que me chamou a atenção nos Estados Unidos da América, e isto não acontece em nenhum outro país, é que as pessoas caminham sempre com um copo de café na mão. Quando aí vou trabalhar com um grupo, vejo que andam sempre com o seu copo de café. Noutros países isto não acontece.

Então perguntei ao organizador: que estranho, o que é que será que eles, na verdade, levam consigo ou têm de ter junto a si? São as suas pátrias, os seus países de origem.

Então, o que fizemos foi formar pequenos grupos e em cada grupo colocaram-se representantes para os lugares de onde provinham os seus pais. Isto teve um efeito muito profundo.

Quando alguém que está doente se aproxima de nós, perguntamos-lhe de que país provém. Na nossa experiência, através de muitas constelações, pudemos ver que essa pessoa se cura quando pode regressar à sua pátria. Na guerra dos Balcãs foram muitos os que fugiram da guerra, por exemplo, as pessoas do Kosovo. Numa família todos os filhos estavam doentes, disse-lhes “vocês têm que regressar”. Têm de compartilhar, têm de carregar com o destino da vossa pátria. Vocês não se podem escapulir disso. Esta família, tão especial, regressou. Depois de um tempo escreveram-me uma carta: todos curados.

Isto tem de ser tido em consideração em constelações familiares, que tenhamos também em conta o contexto mais amplo e que o incluamos. Então, as constelações Familiares convertem-se num movimento de paz dentro de um país e entre diferentes países.

Seguir e servir por amor

E neste contexto há uma outra observação. Se um casal provém de dois países diferentes, a relação é bem-sucedida se a mulher seguir o marido. Não no sentido de obedecer, mas de realmente o seguir. Ela vai para o país dele e, juntamente com os filhos, seguem o marido na sua língua e integram-se na sua cultura. Então a relação é conseguida. E as crianças têm duas pátrias: a do pai e da mãe. E é importante que dominem as duas línguas, então o relacionamento do casal enriquece-se e as crianças sentem-se bem. Alguns atacaram-me dizendo que eu era um patriarca e que desprezava as mulheres.

Mas esta é a observação que fiz.

Se a mulher segue o homem com amor, isso é um movimento de amor. E a frase tem uma segunda parte. Mas as pessoas que se exasperam já não mencionam a segunda parte da frase. A segunda parte é: o homem tem de estar ao serviço do feminino. Esse é outro movimento de amor. Esta é a outra parte.

 

O presente texto é uma transcrição do discurso Bert Hellinger durante a parte final do curso intensivo em Bad Reichenhall (Alemanha), em Novembro de 2011. Esta transcrição foi autorizada pelo autor.

Traduzido do castelhano por Eva Jacinto. 

Tagged , , ,
%d bloggers like this: