As Psicoses, um problema familiar

As Psicoses, um problema familiar

Após o evento desencadeador da psicose, em cada geração um membro da família deve tornar-se psicótico. Esse membro encarrega-se de aspectos que correspondem a outros. E ao tornar-se psicótico, os restantes membros da família ficam aliviados.

Figura - Joan Miró, 1934

Figura – Joan Miró, 1934

Daqui resulta que os outros membros temem que a pessoa psicótica possa curar-se e secretamente unem-se contra uma cura bem-sucedida da sua psicose. Correriam o risco de que outro membro se tornasse psicótico. Podemos perceber esse medo sobretudo no pai ou na mãe.

A pessoa que se encarrega deste destino é a que demostra o maior amor, mas em segredo.

Quando, apesar da resistência de muitos psicoterapeutas e psiquiatras, dei o meu primeiro seminário para clientes psicóticos, fiquei profundamente emocionado pelo amor demostrado por esses clientes.

Por isso intitulei “Amor à beira do Abismo” o livro que escrevi sobre esse tema. Isso é o que podemos observar nos casos de psicose – amor.

 

Bert Hellinger

In Revista Hellinger Sciencia, Março de 2008

Tagged , , ,
%d bloggers like this: