Que se passa com Bert Hellinger e as suas constelações?

 

Que se passa com Bert Hellinger e as suas constelações? O que é que provoca este interesse, e até mesmo fascínio, pelo seu trabalho? Anteriormente, já desde os anos 50 do século XX, outros terapeutas tinham descoberto a enorme influência da família e das suas implicações nas dificuldades que levavam as pessoas a um tratamento constelação com BHellinger no Méxicopsicoterapêutico, aplicando esta perspectiva (denominada sistémica) na procura de soluções. Contudo, ninguém como Hellinger demostrou a evidência de tal ascendente familiar, revelando, graças às constelações, que durante várias gerações certos factos importantes na história da família que não tenham sido resolvidos na sua época própria, continuam a actuar como se tivessem acabado de acontecer, inclusivamente em filhos e netos que nada sabem sobre esses assuntos. Acontecimentos familiares como crianças que morrem precocemente, abortos, relações violentas, migrações, parceiros anteriores ao casamento, doenças ou acidente graves… – factos que, em última análise, mudam o destino da família, podem provocar consequências que se “herdam”, ainda quando os seus protagonistas iniciais já tenham falecido.

As pessoas que exploram as suas próprias dificuldades a partir desta perspectiva podem encontrar sentido e soluções para comportamentos e estilos de vida que comportam infelicidade, que os mantiveram emaranhados e cuja origem desconheciam. Muitas das pessoas que fazem psicoterapia sabem como seria viver com mais felicidade, contudo, incompreensivelmente sentem-se impelidos a repetir certos comportamentos que as tornam infelizes. É surpreendente comprovar com que eficácia as constelações conferem alívio e soluções às pessoas com dificuldades severas e prolongadas e como frequentemente elas assumem com “naturalidade” o nexo dos seus problemas com factos estranhos à sua vida individual.

 

Ángel Martínez Viejo, Psicólogo, In Descubrimentos en la familia intergeneracional

(Tradução de EJ)

Tagged , , ,
%d bloggers like this: