OS MAUS E OS BONS NA FAMÍLIA

Os maus e os bons na família

por Bert Hellinger

Há algo mais a ter em conta. Algumas pessoas são excluídas de um sistema porque se diz que elas não são dignas, por exemplo, alguém que é jogador ou alcoólico, homossexual ou criminoso. Sempre que uma pessoa é excluída desta forma, por alguns dizerem “eu tenho mais direito a pertencer do que ele ou ela”, o sistema fica perturbado e faz pressão para que haja uma reconstrução ou reparação do mesmo. Porque aquele que foi separado ou excluído desta maneira, será imitado numa geração mais à frente por um descendente, sem que este se dê conta. Este descendente vai sentir-se como o excluído se sentiu, comportar-se como ele se comportou e frequentemente acaba como ele.

Joanna concejo Para isto há uma única solução. É necessário voltar a incluir no sistema aquele que foi considerado mau e reconhecer que ele tem o mesmo direito de pertença que os outros. E há que dizer-lhe: “cometemos uma injustiça contigo e temos pena de o termos feito”. Imediatamente será possível ver que é justamente da pessoa que tinha sido excluída que emana uma força grande e positiva para os descendentes. Essa pessoa torna-se uma espécie de patrono para eles.

Nas constelações familiares dá-se a curiosa observação de que em relação ao bem e ao mal, aquilo que se manifesta é geralmente o inverso daquilo que se apresenta. Aquele que é indicado como sendo o bom frequentemente se verifica ser o mau e aquele que é considerado o mau verifica-se que é o bom, de quem emana uma força positiva. Por esse motivo, só é possível fazer terapia sistémica quando os excluídos e os maus são tomados no coração e tratados com respeito. Estranhamente, no instante em que o faço ganho a confiança de todos os outros membros do sistema. Instintivamente sentem confiança em mim. Contudo, se eu me cinjo àquilo que ouço e digo ao cliente: agora diz ao teu pai ou ao teu tio de uma vez por todas que ele é um canalha, ou ao pai que abusou de ti que ele é um sujeito mau, já ninguém do sistema sente confiança no terapeuta. As soluções conseguem-se somente mediante o amor. Uma vez compreendidas estas dinâmicas, a única coisa que se pode fazer é trabalhar colocando o amor na dianteira.

 

Bert Hellinger InEl Manancial no Tiene que Preguntar por el Camino“.

Editora: Alma Lepik, Buenos Aires
Tradução do castelhano – Eva Jacinto

Ilustração de Joanna Concejo

BERT HELLINGER: CONTOS EM UMA FRASE

 

Do prólogo: Estes contos e poemas vêm à nossa alma se lhes dermos tempo para vibrar dentro de nós e se os lermos como se estivéssemos a escutá-los interiormente.

 

Contos em uma frase

Expiação é amor desperdiçado.

Luto é despedida e começo ao mesmo tempo.

Somente os grandes estão confusos, quem permanece abaixo tem clareza.

O completo é também um compromisso.

O tempo pleno atinge a sua meta.okeeffe_pink_and_green_1960_t1

A felicidade surpreende.

O dobro é melhor.

Viver é Sim, a moral é Não.

O amor expande.

Fácil é aquilo que tem permissão para surgir.

Esquecer completa.

Demasiado tarde é muitas vezes o correcto.

A felicidade tem braços.

Muitas vezes aquilo que é temido abençoa.

O amor chega à meta lenta e suavemente.

O crescimento desvia-se um pouco.

O que se executa é algo grande.

Onde o céu nos divide, a terra nos sustenta.

Na meta, temos tempo.

Tudo bem no final, tudo bem no início.

 

 

Retirado de: Bert Hellinger. Cuentos de Vida. Alma Lepik, Buenos Aires, 2012.

(Traduzido do castelhano por EJ)

Imagem: Georgia O’Keeffe, “Pink and Green” (1960).

Reticência

Reticência

 

(Depois de uma constelação para uma criança autista)

Participante: Quando antes ouvimos aqueles gritos, foi dito que esta era a saída do autismo. Será que isso significa que a criança poderia ficar boa?

Hellinger: Você tem de ouvir-me atentamente. Eu disse: “Esta é a irrupção do autismo”. Pudemos ver isso aqui. O que realmente aconteceu, eu não sei. Então, se alguém pergunta, tal como você o está a fazer agora, “será que isto vai ajudar realmente?”, o que é que acontece na sua alma? Você está em sintonia com o que está a acontecer ou a sua conexão interior foi interrompida?

Georgia O'Keeffe - Light Coming On The Plains III 1917

Georgia O’Keeffe. Light Coming On The Plains III, 1917.

Participante: Então, se eu estiver sempre assim, não estou em sintonia?

Hellinger: Exactamente. Mas a questão não o afecta apenas a si, afecta também o sistema do cliente. Tais perguntas curiosas interferem com o movimento da alma. Portanto, é necessária reticência, reticência completa. Sem dúvida que eu teria também prazer em saber se a criança estaria a ficar melhor. Eu tinha isso no meu coração. Contudo, não me atrevo a fazer algo parecido.

Sempre que queremos alcançar um fim específico, quer seja em psicoterapia, quer seja no trabalho social ou em casa – assim que um objectivo específico seja determinado – as coisas correm mal. Correm mal porque nos colocamos no lugar de um movimento superior. Queremos correr na frente, forçar algo. Nesse momento, perdemos o contacto com os poderes maiores. O que nos controla, esta alma maior, tem em mente, inclui, mais coisas. Quando nos confiamos a ela, conseguimos muito mais do que aquilo que tínhamos imaginado.

Em psicoterapia e em casa fazemos a pergunta: o que é aconteceu ali? Porque é que foi deste ou daquele modo? Estas perguntas perturbam os movimentos da alma, enfraquecem. Mas se nos mantivermos somente ali, em consonância com o todo, imediatamente irradia. Nesta posição, um poder maior funciona em segundo plano. Os chineses chamam-lhe “actuar através do não-agir”.

Ao intervir, retiro-me sempre do meio. De repente, quando me retiro desta maneira, uma frase vem ter comigo, ou o próximo passo. Eu sigo-o, mas não sei onde isso vai levar. Então, mais uma vez eu espero um pouco e assim algo se vai desdobrando passo a passo.

A forma como deve encarar isto é: assim como aqui os representantes percebem directamente o que está a acontecer na família, a família imediatamente percebe o que se passa aqui. Assim, as soluções que encontramos aqui alcançam a família também.

Há uma história que se conta em Colónia. Eles lá tinham uns duendes muito úteis, que faziam o trabalho das pessoas durante a noite e faziam-no muito bem, mas só trabalhavam quando não estava ninguém. Um dia uma mulher quis saber exactamente o que eles faziam e esse foi o fim de tudo. Este é um belo exemplo para o que acontece aqui. É exactamente assim.

Esta extrema reticência é sempre cheia de respeito. E esse respeito dá asas a algo na alma. Abre um espaço na alma. Quando surge uma pergunta, a alma contrai-se: “o que é que ele quer agora de mim?” Ninguém se coloca a pergunta “o que é que o sol quer de mim?”, ele brilha somente. Portanto, eu deixo brilhar em mim – sem perguntas.

 

Bert Hellinger In Help for the Soul in Daily Living, Junho 2011

Tradução do inglês por Eva Jacinto

 

CRESCIMENTO PESSOAL

Vídeo de 10 minutos, legendado em português, onde Hellinger discursa sobre o crescimento pessoal, o que o promove e o que se lhe opõe.

“O processo de cura consiste em integrar o que tinha sido rejeitado, nele consentir. (…) Crescemos pelo processo de integrar algo que antes tínhamos rejeitado. E desse modo também o nosso amor cresce. Tornamo-nos mais amplos, mais humildes e mais brandos.” Bert Hellinger