Início » Sim à vida

Sim à vida

Stephan Hausner
Stephan Hausner

Por Stephan Hausner

 

O “Sim” à vida através dos pais e através dos antepassados é, para muitos pacientes, um processo difícil. Alcança-se através do assentimento aos pais tal qual como eles são e assentindo também à história da família em cujo seio nascemos. Este

processo é conseguido independentemente do contacto ou da qualidade da relação com os pais ou avós. Ele é também um processo possível para quem não conhece nem os seus pais, nem as suas famílias, já que nele se pode assentir à sua própria pessoa, ao seu destino pessoal e à situação de vida na qual se encontra. Esta situação pode ser a de se estar afectado por uma doença aguda ou , inclusivamente durante toda a vida.

A experiência mostra que, frequentemente, o primeiro passo para a solução de um problema ou para a cura de uma doença é o de assumir a parte de responsabilidade própria nesse tema. Segundo a minha observação, a força para este passo está relacionada com a disposição para assentir aos pais e à própria família de origem. Este “Sim” aos pais e à família é como um “Sim” à vida e para mim, como terapeuta, uma condição prévia para que eu concorde em realizar uma constelação com um paciente. A minha experiência no trabalho com constelações com doentes é a de quando um paciente não está disposto a dizer “Sim” à sua situação actual, frequentemente sequer está disposto, ou não é capaz de aceitar aquilo que na constelação se mostraria como movimento em direcção à solução. Nestas circunstâncias, trabalho primeiro a capacidade e a disposição do paciente para este “Sim”.

 

Stephan Hausner (2011). Aunque Me Cueste La Vida: Constelaciones Sistémicas En Casos De Enfermedades Y Síntomas Crónicos. Alma Lepik Editorial

Tradução do espanhol por Eva Jacinto