Início » percepção representativa

Etiqueta: percepção representativa

CONEXÃO ENTRE REPRESENTANTES E REPRESENTADOS

O que é que isto [a constelação] demonstra?
Demonstra que estamos conectados de uma forma muito profunda com muitas outras pessoas.
E aqueles que entram numa constelação como representantes, de certo modo deixam o seu próprio sistema e entram noutro sistema, ou poderíamos também dizer que entram num outro campo. E nesse campo entram em ressonância com tudo o que pertence a esse campo particular.

BERT HELLINGER
Primeiro Seminário Internacional – “Los Órdenes de la Ayuda” -, realizado no ano de 2004 no México, organizado pelo Instituto Bert Hellinger de México.

Traduzido e legendado por Eva Jacinto

OS REPRESENTANTES NA CONSTELAÇÃO

 

Estamos conectados de uma forma muito profunda com muitas pessoas. E aqueles que entram numa constelação como representantes, de certo modo deixam o seu sistema e entram noutro sistema, ou poderíamos também dizer que entram noutro campo. E nesse campo entram em ressonância com tudo o que pertence a esse campo particular. E é claro que a constelação é parte desse campo e portanto os membros dessa família são afectados por aquilo que aconteceu na constelação.


BERT HELLINGER (México, 2004)

ASSISTIR AO VÍDEO

 

O CAMPO MÓRFICO

O CAMPO MÓRFICO

Por Ursula Franke*

No contexto da nossa socialização aprendemos que tudo aquilo que acontece dentro do nosso corpo e da nossa psique deve ser atribuído ao nosso “Eu” e, consequentemente, somos disso responsáveis. Aprendemos que os nossos sentimentos, actos e pensamentos surgem de nós e é em nós também que eles ganham sentido. Contudo, o pensamento em acção nos contextos sistémicos e as experiências que fazemos no decurso das constelações sugerem que só parcialmente isso é verdade.

Nesse sentido, o trabalho de Bert Hellinger revolucionou o conceito de indivíduo. Os “vínculos invisíveis” de uma família ou de um sistema tornam-se visíveis através de uma constelação. Os representantes e os pacientes experimentam fisicamente o modo como o indivíduo está inserido no seu contexto e como a presença e a proximidade de um elemento actua sobre cada um dos outros elementos que estão dentro do sistema. Se, por exemplo, numa constelação a filha está parada em frente ao pai, experimenta um estado físico e psíquico que é possível de ser descrito com precisão, o qual se altera por apenas se incorporar outra pessoa, por exemplo a mãe ou o pai do pai.

Podemos imaginar que o nosso corpo absorve as informações da área circundante como uma caixa de ressonância, tal como um instrumento musical ou um recipiente que vibra com os sons que o envolvem. Vistas as coisas desta maneira, podemos entender que estamos em condições de participar dos sentimentos e também dos estados físicos dos outros e experimentar e perceber dentro de nós, especialmente no nosso corpo, estas qualidades do outro. Isto, por sua vez, significa que possivelmente os sentimentos e os estados físicos que experimentamos nem sempre surgem de nós próprios, nem são, por conseguinte, nossos, mas antes sentimentos e percepções “alheias”, que ressoam em nós e cremos serem nossas porque as experimentamos no nosso corpo e mente.

Rupert Sheldrake retomou a antiga ideia de um todo envolvente, avançou no seu desenvolvimento e fez dela o centro das suas investigações. O autor descreve os princípios básicos do campo mórfico que reflectem os princípios de Tales de Mileto Continuar a ler

PERCEPÇÃO REPRESENTATIVA

 

Albrecht Mahr : A PERCEPÇÃO DENTRO DA CONSTELAÇÃO

 

“Deixem-me explicar com maior detalhe: o que é uma constelação familiar? Sem que tenha fornecido qualquer informação prévia, um cliente configura uma pessoa que se encontra no grupo para representar a sua mãe ou pai, um colega, o seu próprio coração, o soldado japonês que salvou a vida do seu pai, o seu país, a sua fé ou a velhota vestida de um modo estranho que lhe apareceu em sonhos na noite passada. Na prática qualquer elemento, qualquer ser ou qualquer processo com um impacto importante sobre a pessoa, sobre a sua família ou sobre o seu grupo, pode ser representado. O representante “sabe” na sua experiência corporal, pelas emoções, imagens e pensamentos que vão emergindo na sua mente, a condição interna da pessoa ou elemento representado – muitas vezes de uma forma surpreendentemente precisa e significativa.

Este processo é simples e embora possa ser, ocasionalmente, dramático, é tão natural como respirar. Chamámos a este processo “percepção representativa”. A percepção representativa não requer nenhum conhecimento profissional, nenhum treino especial, nem um estado intelectual, psicológico ou espiritual especialmente evoluído.  Não há especialistas em percepção representativa, no entanto, temos a possibilidade de nos familiarizar com esse modo de percepção, de forma que ele pode aparecer com uma certa facilidade e flexibilidade oferecendo-se, por assim dizer, com um sorriso delicado. As constelações relembram-nos o facto de que, sem qualquer esforço, podemos tornar-nos, uns para os outros, num instrumento de experiências de que, através dos meios convencionais de informação, nada sabemos. Tornamo-nos receptivos a um órgão sensorial especial que medeia a percepção representativa, do mesmo modo que o olho medeia a visão. Este órgão sensorial concentra uma rica variedade de funções, a fim de proporcionar o conhecimento participativo da condição e da experiência de outros seres humanos e praticamente de todas as coisas.

Em primeiro lugar, ele utiliza o “conhecimento do corpo” através das suas valiosas capacidades perceptivas; utiliza, além disso, os sentimentos e emoções e a nossa capacidade para a imaginação e fantasia; utiliza ainda os nossos processos mentais, em particular o pensamento. A percepção representativa é não-localizada, isto é, a sua acção não se limita à proximidade espacial das pessoas envolvidas: é independente da distância a que se está daqueles que são apercebidos. A percepção representativa é trans-temporal, ou seja, inclui eventos que ocorreram há muito tempo atrás e também potencialidades futuras.

Isto inclui as pessoas já falecidas, ou seja, parentes que conhecemos ou pessoas que nunca conhecemos ou de quem nunca ouvimos falar e que tiveram uma influência profunda para a sobrevivência e o bem-estar da nossa família e cuja vida e destino, ainda que tenha ocorrido há varias gerações atrás, foi crucial para que hoje estejamos aqui. A percepção representativa recorda-nos que, para além de nossa experiência linear do tempo, vivemos também num espaço atemporal ou num espaço de concomitância temporal total, com frequência desdobrando-se numa constelação familiar como uma qualidade de imediatismo indubitável, simples agora e puro estar.” 

 

Este excerto foi retirado de uma conferência dada pelo Dr. Albrecht Mahr no evento International Transpersonal Association Conference, que ocorreu em 13-18 de Junho de 2004, em Palm Springs, EUA.

Traduzido do inglês por Eva Jacinto

Ilustração de Adolfo Serra